Principais Defeitos

 

     Como deve ser de conhecimento geral, as CPU’s de micro-computadores costumam sofrer com as altas temperaturas do verão e inclusive apresentar certos defeitos no seu funcionamento. Os principais defeitos que levam a possibilidade de aquecimento excessivo são: travar (congelar) em momentos variados e constantemente, ressetar sozinho, e ter falhas gerais de proteção (“Este programa executou uma operação ilegal e será fechado”).

     Para verificar se estes sintomas são realmente decorrentes de aquecimento, você pode remover a tampa do gabinete por um tempo, caso os defeitos cessem, estará comprovado problema de superaquecimento. Porém não se aconselha a utilização freqüente do micro aberto, devido ao acumulo de poeira, o que também pode acarretar danos à máquina. Ou seja, mantê-lo aberto não seria a solução adequada para o superaquecimento.

     Estes defeitos costumam ocorrer devido à dilatação das partes metálicas, como os contatos entre as placas, o que causa maus-contatos. Mas principalmente porque os processadores têm uma temperatura máxima de operação, que não pode ser excedida. Os processadores têm temperaturas máximas que variam de acordo com sua marca, modelo e tamanho. Em geral, condiciona-se a temperatura dos processadores Pentium 4 até 70ºC, dependendo da sua freqüência de operação. Já os Athlon XP de 85ºC a 90ºC, também dependendo da freqüência de operação.

     Sendo que estas seriam as potências máximas admissível para cada processador, devendo funcionar sempre abaixo disto, pois quanto menor for a temperatura do processador melhor. O responsável pelo resfriamento dos processadores são os chamados coolers (componente formado por um dissipador e uma ventoinha). A escolha do cooler deve ser apropriada ao processador da máquina para que desempenhe corretamente seu papel, o fato do cooler encaixar no suporte não quer dizer que ele serve para a função.

     Verifique sempre as indicações na embalagem do cooler sobre os processadores para os quais foi desenvolvido. O procedimento de resfriamento do processador consiste na passagem do calor do processador para o dissipador com o auxílio da pasta térmica, e deste para o ar, forçado pela ventoinha que o libera dentro do gabinete, sendo posteriormente expelido para fora do gabinete pelos mecanismos que veremos a seguir. No entanto, além dos processadores, atualmente o chipset de placa-mãe e processador de vídeo da placa de vídeo também costumam aquecer, e em alguns casos é necessário a utilização de coolers específicos para estes outros componentes. Dado a isso a importância de além da ventilação, através dos coolers, a remoção do ar quente que fica acumulado no interior do gabinete.

     Para esta função está um item que já vem com o próprio gabinete, a fonte de alimentação. Você já deve ter reparado que atrás da CPU existe uma ventoinha, ela faz parte da fonte e funciona na função de exaustão, puxando o ar quente de dentro do gabinete para fora. Como o ar quente tem a tendência natural de subir, ele vai para parte de cima da CPU onde a fonte está localizada e é expelido pela fonte, pois internamente esta tem ranhuras por onde passa o ar quente. A frente do gabinete também possui ranhuras para entrada do ar frio.

     E alguns gabinetes possuem ventoinhas fixadas a tampa lateral, onde existem aberturas, com a mesma função da fonte de remover o ar quente interno. Sabe-se que a temperatura ideal interna dentro do gabinete não deve ser superior a 10ºC acima da temperatura ambiente, típica de 35ºC para a qual os componentes foram fabricados, o que representaria dizer que o máximo que pode chegar internamente a temperatura da CPU é 45ºC.

     Vale lembrar que a concentração excessiva de poeira no gabinete é uma das causas de elevação na sua temperatura interna.

 

 
 







GIBA INFORMÁTICA

Cel: (47) 9 9165-4465 (Vivo) WhatsApp
E-mail : contato@gibainformatica.com.br

© COPYRIGHT 2010 ALL RIGHTS RESERVED GIBAINFORMATICA.COM.BR